Acidente vascular cerebral (AVC)

Em aproximadamente 79 % dos casos de AVC, um vaso sanguíneo que irriga o cérebro é bloqueado, p. ex., por um coágulo sanguíneo, resultando em uma irrigação sanguínea insuficiente. Quase 13 % dos pacientes sofrem exatamente o oposto, ou seja, uma hemorragia no cérebro em consequência da lesão dos vasos. Em ambos os casos, o suprimento de sangue a certas regiões do cérebro torna-se insuficiente devido a distúrbios circulatórios locais.


Frequência

Conforme as estimativas mais recentes, anualmente ocorrem cerca de 270 mil casos de primeiro AVC na Alemanha. Um ano após o evento, a metade aproximadamente dos pacientes que sobrevivem ao AVC fica permanentemente deficiente, necessitando de ajuda alheia. Atualmente, quase 1,3 milhão de cidadãos do país sofrem com as sequelas desta doença. Em razão do envelhecimento da nossa sociedade, espera-se um aumento drástico do número de pacientes de AVC nas próximas décadas. Projeções confiáveis realizadas pelo registro de casos de AVC de Erlangen preveem 3,5 milhões de pacientes com custos diretos de tratamento de 108 bilhões de euros. Em vista disso, o quadro clínico do AVC constitui um dos principais desafios para o sistema de saúde alemão.

Sintomas

Os sintomas do AVC podem variar amplamente entre os indivíduos, inclusive em termos da gravidade. São eles:

  • Visão reduzida
  • Campo de visão limitado
  • Distúrbios da percepção de profundidade, visão dupla
  • Distúrbios da fala e da compreensão da linguagem
  • Paralisia, dormência
  • Distúrbios da sensação tátil
  • Queda do canto da boca – tais disfunções também podem ocorrer nos membros inferiores e superiores (pé e punho caídos)
  • Dor no ombro
  • Função instável da articulação do joelho na posição em pé
  • Instabilidade do tronco
  • Vertigem com marcha desequilibrada
  • Espasticidade de várias formas e gravidade

Reabilitação

De acordo com o grupo de trabalho federal para reabilitação, é aplicado o chamado modelo de fases na área de reabilitação neurológica. Inicialmente, o médico e terapeutas responsáveis fazem uma avaliação da necessidade de ajuda do paciente. Conforme essa avaliação, o paciente é encaminhado para uma determinada fase de reabilitação. A reabilitação neurológica é dividida nas seguintes fases:

  • Fase A: Tratamento médico emergencial
  • Fase B: Reabilitação médica e terapêutica, reabilitação precoce (em parte ainda com limitações muito graves (coma) para pacientes gravemente afetados, com possibilidades limitadas de participar no tratamento)
  • Fase C: Reabilitação médica e terapêutica (autossuficiência comprometida)
  • Fase D: Reabilitação médica e terapêutica (movimento possível no quarto do hospital)
  • Fase E: Reabilitação médica e ocupacional (reintegração, reorientação, se aplicável)
  • Fase F: Cuidados terapêuticos, medidas para preservar a atual condição

Nos últimos anos, houve um grande avanço no tratamento de emergência. Através de dispositivos médicos modernos, a Ottobock busca lançar um foco maior sobre a reabilitação seguinte ao tratamento emergencial do paciente. De cadeiras de rodas para oferecer suporte na fase inicial de reabilitação a produtos para fraqueza nos dorsiflexores (órteses, estimulação elétrica funcional (EEF) em forma de estimulação superficial ou de implante), a órteses para estabilizar as articulações do ombro, do joelho e do pulso, a Ottobock oferece um vasto portfólio de soluções em produtos modernos.


Abaixo, apresentamos exemplos de produtos usados na ortetização. Se um produto é realmente adequado para você ou se você terá condições de aproveitar plenamente a funcionalidade do produto dependerá de vários fatores diferentes. Sua constituição corporal, condição física e um exame médico detalhado também são fatores importantes. Seu médico ou o seu técnico ortopédico também decidirá qual a ortetização mais apropriada para você. Teremos muito prazer em apoiá-lo.


Produtos correspondentes